Monthly Archives: January 2015

Toy art brasileiro – os Rolhecos!!

Pesquisando sobre toy art no Brasil encontrei o trabalho do designer Paulo Grohmann, achei incrível e criativo.

20150130-004640.jpg

20150130-010119.jpg

Paulo teve esta ideia quando estava brincando com seus filhos, a ideia deu tão certo que a brincadeira virou coisa seria.
São feitos com rolhas, cotonetes e fios. Ele não compra as rolhas novas, compra as usadas, o que também torna o projeto sustentável. Os cotonetes, ele jura, só utiliza os novos!! São pintados um a um e eles tem uma marca: o sorriso aberto!

20150130-005013.jpg

Fiz agumas perguntas para o Paulo:

Além dos rolhecos, sua empresa comercializa outros produtos?
Sou designer gráfico por profissão, e a Brinte nasceu com o propósito de oferecer serviços gráficos, criação de marcas principalmente. A marca Rolhecos teve início há pouco tempo, em setembro/2013. A loja online acabou de ficar pronta, e nela ofereço criações próprias, como os Champs e os Bounes. Personagens da cultura pop, como os Minions, Harry Potter e Super heróis são feitos sob encomenda.

20150130-005626.jpg
Onde podemos comprar os rolhecos?

Podem comprar pelo site www.rolhecos.com.br e também na Coisas da Dóris – nos Jardins e online: www.coisasdadoris.com.br (kit de pintura e anjinhos)

Você trabalha com oficinas ensinando a fazer os rolhecos?
Está nos planos realizar oficinas com as crianças, provavelmente faremos a primeira já em fevereiro.

20150130-011835.jpg

A campanha para incentivar as pessoas a levarem as rolhas foi bem sucedida?
A campanha está sendo um sucesso, já foram arrecadadas mais de 3.000 rolhas em apenas um mês. A campanha termina dentro de alguns dias, logo terei os números para divulgação.

20150130-010728.jpg

O branquinho para ser customizado faz sucesso? Adultos e crianças?
O kit de pintura é um hit entre as crianças. Ensinar os pequenos a customizar os Rolhecos é uma ótima diversão.

20150130-011242.jpg

Quem compra mais, homens ou mulheres?
O público principal é feminino, sem dúvida.

As pessoas colecionam? Ficam a espera de novos modelos?
Já temos algumas colecionadoras sim!
Estou sempre criando novos personagens, quem acompanha pelo Face, Twitter ou Instagram fica sabendo de antemão.

20150130-012007.jpg

20150130-012041.jpg

Que interessante, sempre achei que o público de toy art fosse masculino na maioria, talvez no Japão e Estafos Unidos. No caso dos rolhecos, as mulheres estão imperando!
Eu gostei muito! Quero mais do que um pra mim!

Mais informacōes:
Recentemente o blog do vinho tinto fez duas matérias ótimas com muita informação sobre os Rolhecos.A entrevista com Paulo está excelente.
www.blogvinhotinto.com.br

Entrevista:
www.blogvinhotinto.com.br

1 Comment

Filed under Arte, Objetos com Arte, Toy Art

Ser feliz hoje!! Com texto de Ary Fontoura

Hoje é aniversário de minha irmã.
A primeira depois de mim( tenho mais uma irmã e um irmão) todos queridos e engraçados!!

Como a aniversariante e eu temos (quase) a mesma idade, fomos muito próximas na infância e adolescência. Ficamos um período sem conversarmos tanto porque casamos, cada uma com suas vidas, suas tarefas, seus filhos… pelos mesmos motivos, somos novamente muito próximas.

Mais que minha irmã, ela é minha amiga.
Privilégio maravilhoso este, ter como uma das melhores amigas, a irmã, que te conhece desde que nasceu, pra quem você não precisa explicar como é sua família, porque ela faz parte da mesma família. Que pode praticamente ser sua memória, porque ela estava lá em muitas situações que você viveu e que não lembra…
Dar muitas risadas em conversa séria, chorar rindo por alguma coisa grave deixando a carga mais leve… Sempre achando graça de nós mesmas…Muitas vantagens!! Quem tem um amigo tem tudo, diz o ditado! Imagina uma amiga/irmã?!!

Li um texto do Ary Fontoura que também faz aniversário hoje e compartilhado no facebook.
O texto me fez pensar em tudo o que eu quis ser e não fui, e não sou.
Também sonhei muita coisa pra mim e quase nada do que imaginei, quando adolescente, aconteceu. Em compensação, muita coisa que nunca imaginei, aconteceu!! :) )

Sonhamos com milhões de coisas e a maioria talvez não dê pra alcançar nesta vida.
Mesmo assim a vida é bela, e pode ser mais bela se conseguirmos entender que tudo pode ser mais simples e os desejos podem ser outros, quando percebemos o real valor de viver e conseguimos enxergar as pessoas como elas são, ter carinho por elas, aceitando as falhas e as diferenças.
Entender que podemos fazer planos, estabelecer metas, ter sonhos, muitos sonhos, mas principalmente, ter a consciência de que, na verdade, não estamos no controle e que a vida é a que se apresenta toda manhã e que devemos aproveitar da melhor forma, saborear cada instante, felizes!!

Parabéns querida irmã!
Agradeço a Deus por tê-la perto de mim e minha oração é que Deus lhe dê muita saúde e alegria, mesmo que em sua vida seja tudo diferente do que um dia pensamos pra nós.
Que seus sonhos sejam renovados!
Porque o que realmente importa é o amor, é o que fica
.

20150127-124930.jpg

Segue o texto do Ary Fontoura.
Vale a pena ler.


Ary Fontoura
As Coisas Simples da Vida

O dia 27 de janeiro é o dia do meu aniversário e de outros tantos aquarianos que decidiram desembarcar nesse planeta para essa longa jornada que é a vida. Já são 82 primaveras, enchendo a bagagem de experiências, umas boas e outras… deixa pra lá. Mas, por incrível que pareça, quanto mais cheia é essa “bagagem da vida”, mais leve ela parece ficar. Ao longo dessa viagem, acumulei sonhos e uma lista infindável de conquistas e desejos: Desejei ter um milhão de amigos, conquistei de verdade uns dois ou três para uma vida inteira; sonhei ter 1.90 de altura e ser o mocinho da novela das 8, não fui escalado para o mocinho, mas carrego um currículo com mais de 40 telenovelas e o eterno Nonô Correia, o mais popular dos meus personagens; desejei ter um patrocinador para fazer teatro e hoje estou em cartaz com ‘O Comediante’ em São Paulo, e torço para que o Bradesco continue a nos apoiar; desejei ter uma casa, um carro, e uma piscina no quintal, conquistei com o meu trabalho; sonhei viajar para os anéis de Saturno, fui parar na Disney, e me diverti; desejei brindar o último réveillon com uma garrafa de Veuve Clicquot, me ofereceram uma taça de cidra e adorei; desejei que chovesse nos últimos dias, mas a minha cidade e o meu jardim estão torrados pelo sol escaldante de um verão seco; desejei que as calotas polares parassem de derreter, não pararam; desejei ter um cachorro, hoje tenho 3 e sou sócio da Suipa; sonhei com um país socialista igualitário, passei por uma ditadura militar, e acabei refém de um capitalismo cruel; desejei, de coração, um mundo melhor para o homem, para que fôssemos mais alegres e menos calejados e, confesso, nunca deixarei de sonhar. E, depois de tanto encher essa “bagagem da vida” com desejos e sonhos, percebi com o tempo que os grandes valores estão nas coisas mais simples da vida, e aprendi a respeitar o ser humano, as diferenças, as opiniões, as limitações, entendendo que o mais importante nessa viagem é ter saúde no corpo, paz na alma, amor no coração e fé para ser feliz!

1 Comment

Filed under Comemoração

Análise da Obra: “O Remorso de Orestes” de Willian Adolphe Bouguereau por Luciene Felix Lamy

Começando o ano com mais uma incrível análise completa de Luciene Felix Lamy.
Vale a pena ler com calma e olhando cada parte da obra para entender bem todos os detalhes e o contexto da história.
Boa leitura! Aguardo os comentários!!

20150105-150002.jpg
“O Remorso de Orestes” de Willian Adolphe Bouguereau

Análise da Obra: “O remorso de Orestes” de William­ Adolphe Bouguereau

IMAGEM: Bouguereau.Orestes

LEGENDA DA IMAGEM: O remorso de Orestes (1862), de William­Adolphe Bouguereau (1825­

1905). The Chrysler Museum of Art, Nortfolk, Virgínia.

Bouguereau foi um talentosíssimo pintor do belo, do sublime, da meiguice e da docilidade (basta dar um “Google Imagens” para constatar que você sempre adorou sua arte). Mas nas poucas obras em que ousou retratar a violência, também o fez com maestria.

Na cena acima, observamos um rapaz desesperado, tapando os ouvidos enquanto é perseguido por três mulheres furiosas. Todas elas fixam o olhar sobre ele e apontam­-lhe o dedo indicador chamando a atenção do jovem para outra figura feminina desfalecida, apunhalada no coração.

Vestindo um dramático manto vermelho sobre um vestido branco, é a rainha Clitemnestra que acaba de ser assassinada pelo próprio filho, Orestes. A consciência não o deixa em paz!

Ainda no retrato desse drama, constatamos o vigor de quatro corpos em movimento, em contraste com um outro corpo paralisado. Observem que as Erínias (também conhecidas como as três parcas, as moiras, as tecelãs, as Fúrias) possuem cabelos de serpentes. Desfiguradas, suas faces exprimem ódio, indignação e ameaça. Uma delas ostenta uma serpente bem grande como se fosse um chicote, enquanto a outra porta um archote.

20150105-164011.jpg
Eruditos, os artistas doutrora prezavam muito a cultura clássica e, como não podia deixar de ser, para compreender os meandros da psique humana, debruçavam­- se sobre os tragediógrafos gregos.

Bouguereau demonstra profunda familiaridade com a tragédia de Ésquilo, intitulada “Eumênides” (548 a.C.), pois o tema retratado nesse quadro é o ato mais aviltante que se pode cometer: o assassínio da própria mãe, o nefasto crime de matricídio.

Para que a fruição, a contemplação dessa obra magistral seja ainda mais completa, perscrutemos por que esse rapaz ousou matar a própria mãe e como a cena retrata a transição do matriarcado para o patriarcado.

A mando do deus Apolo (Sol), o rapaz foi “autorizado” a matar a mãe para vingar a morte do pai.Sim, a mãe de Orestes, Clitemnestra assassinou o marido, o lendário rei de Esparta, Agamêmnon, por ter sacrificado sua primogênita, Ifigênia para conseguir bons ventos e partir para a conquista de Troia.

Historicamente falando, tanto a arte literária quanto a pictórica revela a superação das leis mais antigas (matriarcado) pela nova lei (o patriarcado).

O crime será presidido por Athena que, durante o julgamento de Orestes, no Areópago de Ares(onde eram julgados os crimes de sangue), proferirá seu famoso “voto de Minerva” (nome romano de Athena), desempatando o veredicto do juri.

Para a religião arcaica (cerca de 1.200 a.C.), quem derrama sangue materno ofende e viola o direito inexorável da terra­mãe.

As Erínias, também conhecidas como “As Fúrias”, a vingança, nascidas do sangue que jorrou dos órgãos genitais de Urano (Ouranós, os Céus), ceifado por seu filho Chronos (o tempo, Saturno para os romanos), perseguiriam e não deixariam impune o mais aviltante crime contra a própria natureza. Para esta cultura só existe um laço sagrado: o de mãe e filho.

Retomando o desenrolar da machina fatalis: Agamêmnon sacrifica a filha Ifigênia, é assassinado pela mulher Clitemnestra e vingado pelo filho Orestes, por ordem expressa do deus Apolo.

Apavorado com as Erínias sob seu encalço, Orestes procura abrigo no templo da deusa da Justiça.
Abraçado aos pés da estátua de Palas Athena, suplica por um julgamento e, contando com a pronta defesa do deus da harmonia Apolo, anseia por acolher o veredicto que vier.

Uma mudança não se dá sem luta. Chega o inadiável momento em que se travará o definitivo embate entre: a) de um lado, as catatônicas forças das profundezas da terra, a natureza germinadora, das trevas subterrâneas do Hades, personificações antropomórficas (que o homem constrói imageticamente à sua semelhança) dessas potências (as Erínias representam o matriarcado) e; b) do outro, o dia claro da razão, a nova luz do Olimpo presidido agora por Zeus, o lógos que se impõe à instauração da política humana que se assenta em Diké, a lei da pólis (Apolo e Palas Athena, arautos da nova ordem que representam o patriarcado).

Todo processo de julgamento de Orestes procedem cerimoniosamente como o instituímos até hoje, mais de vinte e cinco séculos depois: apresenta­-se o réu e a denúncia, o advogado de defesa (Apolo) e as acusadoras (as Eríneas), o júri (doze atenienses) e a juíza (Palas Athena).

Quando Orestes indaga ao coro porque as Erínias não perseguiram sua mãe Clitemnestra ao matar seu pai, este afirma não ter sido cometido crime contra o sangue, ao que ele prontamente indaga: “e eu seria, por acaso, do sangue de minha mãe?” Indignadas, as Erínias perguntam: “Não foi ela, assassino, quem te alimentou em seu seio? Renegas o dulcíssimo sangue materno?”.

Para o matriarcado, o pai, seja ele quem for, apenas deposita a semente na mulher, como um lavrador anônimo que semeia a terra, verdadeira fonte de tudo o que brota
.

Já para o patriarcado, a mulher é, assim como a terra, apenas depositária da semente, sendo, portanto, o pai o grande responsável pelo que brota, enquanto a mãe, matriz fria e passiva, não
gera, apenas alimenta o germe nela semeado.

O argumento apresentado na defesa de Orestes por Apolo alude ao nascimento da juíza Palas Athena, ela mesma gestada nas meninges de Zeus e parida pela machadada certeira do ferreiro divino Hefestos(Vulcano para os romanos).

Iradas com Apolo, as Erínias vociferam e ameaçam: “Tu jovem deus, esmagas nossa velhice, mas aguardo a sentença e contenho até lá minha cólera contra a cidade”.

Enquanto os doze cidadãos atenienses depositam seus votos na urna, a deusa da Justiça esclarece: “Serei a última a pronunciar o voto. E os somarei aos favoráveis a Orestes. Nasci sem ter passado por ventre materno; meu ânimo sempre foi a favor dos homens, à exceção do casamento; apoio o pai. Logo, não tenho preocupação maior com uma esposa que matou o seu marido, o guardião do lar; para que Orestes vença, basta que os votos se dividam igualmente”.

Faz­-se silêncio. Diante da ansiedade de todos os presentes, uma pausa. A deusa dá seu veredicto “Este homem está absolvido do crime de matricídio porque o número de votos é igual dos dois
lados”. Há em jogo algo mais relevante neste tribunal in dubio pro reo, neste tribunal da justiça e não da vingança.

Com o “voto de Minerva” dá­-se o estabelecimento da supremacia da luz do lógos sobre as “Fúrias”, forças ctônicas da natureza. O pai, guardião do lar e não a mãe, tem a prioridade do direito que procede de Zeus, pai de ambos, Apolo e Palas Athena. Estes são os novos deuses, os do Olimpo, com suas novas leis.

Sobre o inconformismo das imortais Erínias, habitantes das entranhas da matéria, elas, filhas da noite, que originam toda espécie de vida “detentoras do nascer e do morrer, os dois pontos finais entre os quais, segundo Platão, move­sse a trajetória de todas as coisas”, vaticinam sérias ameaças à cidade de Atenas.

A sapientíssima juíza, gestada na cabeça (razão) de Zeus, graças à arte da retórica, conteve as “Fúrias”com incomensurável empenho.
Reconhecendo seus poderes, prometendo- ­lhes mansões e templos dignos, tem seu voto de desempate acolhido pelas Eríneas que passam a ser reverenciadas em Atenas e a ser chamadas “Eumênides”: as benevolentes (daí o título da obra). Quem mais senão a diplomática Palas Athena, com seus lúcidos e irrefutáveis argumentos para aplacá­las?

Por não vivermos mais numa sociedade exclusivamente agrária, governada e endeusadora da terra e da fertilidade, por termos agora que estabelecer novas leis conciliatórias sobre a violência que nasce da vingança dos crimes de sangue, do “sanguine coniunctae” que dizimava famílias inteiras na Hélade, o direito ao julgamento, a política da pólis se impõe: Vitória do Lógos!

Elementar que a contagem de votos tenha empatado: o filho é do pai tanto quanto também é da mãe. Superada a fúria cega das forças brutas, indiscriminadamente germinadoras, caberá à pólis, pela primazia da ratio, deter o caos e instaurar uma nova ordem. Poder germinador da terra, dom e graça das Mães. Mas, para que não haja desequilíbrio, constatamos que não é mais sábio (Palas Athena)nem harmonioso (Apolo) que o exerçam sozinhas, quando antes da pólis.

Do ventre das férteis Erínias de nosso solo ainda proliferam frágeis e desamparadas sementes de irresponsáveis(posto que ausentes)lavradores anônimos. São as crias da escuridão e da injustiça, distantes da justiça de Athena, da luz de Apolo.

2 Comments

Filed under Arte, Escritores, Museus

Feliz Ano de 2015

Amigos queridos, chegamos ao Ano Novo!! E hoje já é dia 02 de janeiro, como passa rápido!!

E como uma tradição do blog, a nossa linda Agenda figura entre os primeiros posts do ano, recheada de arte para começarmos com planejamento e organização, melhorando nossa qualidade de vida.
Ilustram a Agenda Arte 2015:
A.Giorgi, Amélia Piza, Angélica Bittencourt, Cris Mason, Daniel Fontoura, Dircéa Mountfort, Eliara Bevilacqua, Eliete Maesano, Jane Wickbold, Lícia Pacífico, Magda Bugelli, Odete de Angelis, Regina F.Helou, Stella Gomide, Thamar Bortoletto e Virginia Sé.

Lindos trabalhos para colocar em seus dias de 2015 muita arte. Nossa capa está bem especial, ideal para meninos e meninas que querem a agenda, mas são discretos.

Se você ainda não reservou a sua, mande um email para info@sciaccostudio.com

Beijos e Feliz Ano Todo de 2015!!

20150102-183019.jpg

20150102-175516.jpg

Leave a Comment

Filed under Acessórios com Arte